Varejistas vão às compras: as principais apostas no mercado de fusões e aquisições, segundo a XP

Assim como Renner, Arezzo e Vivara também estão na mira dos analistas; players do e-commerce se destacam no mercado de M&A.

SÃO PAULO – Depois de anunciar um aumento de capital no valor de R$ 4 bilhões, a Lojas Renner (LREN3) tem ganhado o holofote do mercado financeiro, com os investidores de olho em quem será a próxima empresa no carrinho da varejista. A companhia, contudo, não está sozinha em um mercado de fusões e aquisições (M&A) que movimentou cerca de R$ 155 bilhões apenas nos três primeiros meses do ano.

Em relatório publicado nesta segunda-feira (28), a XP afirma que a Arezzo (ARZZ3) é outra empresa que deve se mostrar ativa em busca de novas oportunidades nativas digitais no segmento de vestuário, como a recém adquirida BAW, a Pantys e Haight, bem como marcas mais tradicionais, caso de Shoulder, Mixed e Yogini.

Há ainda espaço para a Vivara (VIVA3) consolidar seu mercado, escrevem, principalmente por meio de marcas que complementem seu portfólio em relação ao público alvo, caso da H. Stern.

Finalmente, a C&A (CEAB3) parece estar em uma frente mais reativa, avaliam os analistas, enquanto o Grupo Soma (SOMA3) deve focar na integração com a Hering (HGTX3), em uma operação de R$ 5,1 bilhões.

Na mira da Renner

De acordo com o relatório da XP, após aumento de capital da Lojas Renner, a candidata preferida a ser incluída na carteira é a Dafiti, que tem um portfólio com mais de seis mil marcas e mais de 400 mil produtos à venda em seu site.

Com faturamento de R$ 3,4 bilhões em 2020, a varejista tem operações em diversos países da América Latina, como Brasil, Argentina, Chile e Colômbia.

A Dafiti conta ainda com um serviço de assinatura (Dafiti Prime), em que oferece frete grátis sem valor mínimo de compra e coleta para trocas, e possui um cartão de crédito próprio (Dafiti Card), que pode ser usado em outros estabelecimentos comerciais.

Ainda que a empresa seja a mais cotada, os analistas da XP dizem ver desafios em relação ao interesse do controlador (GFG) em vender o ativo, “o que poderia levar a um valuation mais esticado”.

Neste contexto, o time de análise afirma que vê a Renner buscando outras companhias digitais, como a Amaro. Privalia também estaria na lista, mas protocolou recentemente uma nova tentativa de IPO.

“Vemos aquisições de pequenas empresas digitais/fintechs que complementam a proposta de valor de se tornar um ecossistema como as mais prováveis de ocorrerem no curto prazo”, escrevem os analistas.

E-commerce na dianteira

Com um mercado agitado de M&A, a avaliação da XP é de que os players de e-commerce são os que devem se comportar de forma mais ativa em busca de oportunidades, principalmente em meio à adição de novas categorias no 1P (estoque próprio), com setores como casa e decoração e vestuário sendo os mais prováveis de irem às compras.

Além do crescimento em meio à pandemia, são setores que procuram por capacidades e funcionalidades que complementem seu ecossistema, como fintechs, players logísticos ou de conteúdo, destacam.

Farmácias e supermercados desaceleram

Enquanto nomes do e-commerce lideram a corrida de fusões e aquisições no mercado brasileiro, os setores de farmácia e supermercados seguem menos aquecidos.

Para os analistas da XP, é pouco provável que aconteça alguma aquisição em farmácia, principalmente dado que Pague Menos (PGMN3) já adquiriu recentemente a Extrafarma, acelerando seu plano de expansão e sua atuação nas regiões Norte e Nordeste, e a RaiaDrogasil (RADL3) é mais focada em crescimento orgânico.

Já em supermercados, a avaliação é de que o fluxo de notícias deve se concentrar ao redor dos desinvestimentos do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), apesar de o time ver Carrefour Brasil como um potencial interessado na marca Pão de Açúcar. Nos últimos dias, ganhou destaque a notícia, depois negada pela companhia, de que o grupo Casino teria começado a se estruturar para vender sua parte no GPA.

Além disso, a XP destaca que o Assaí (ASAI3) e o Grupo Mateus (GMAT3) podem olhar para oportunidades de aquisição de “atacarejos” regionais, embora sejam focados em crescimento orgânico.

Fonte: https://www.infomoney.com.br/

28/06/2021

NENHUM COMENTÁRIO

ENVIAR UM COMENTÁRIO